sexta-feira, 30 de outubro de 2009

A TURQUESA

A turquesa é uma pedra preciosa usada desde a Antiguidade. O seu nome significa “pedra turca”, não por ser originária da Turquia mas porque foram os turcos que a introduziram na Europa e a popularizaram como pedra da sorte.
A sua fama como amuleto remonta à antiga Pérsia e ao Egipto onde já desde a Primeira Dinastia era considerada um bem valioso e símbolo de poder. Também era conhecida e apreciada na China, Tibete e na América pré-colombiana. Todas as culturas que, ao longo dos tempos, tiveram contacto com a turquesa, adoptaram-na como talismã, usaram-na nos seus rituais e obras de arte, bem como como oferenda de especial valor.
Pela sua cor é associada ao chakra laríngeo, podendo ajudar dissolver bloqueios de expressão e inibições auto-impostas. É uma pedra que promove a calma interior e a clareza de pensamento. Em meditação pode ser usada sobre o chakra frontal, ajudando a limpar a mente e a apurar a intuição.
Como quase todos os cristais utilizados em terapia, também a turquesa é um excelente foco de energia ambiente. Algumas das suas aplicações práticas:
- neutraliza o smog elecromagnético
- purifica ambientes "carregados"
- combate a exaustão física e mental
Ao nível psicológico:
- actua positivamente em estados depressivos
- combate ataques de pânico e fobias
- promove o pensamento criativo
Em Magia continua a ser usada, como no passado, para protecção de pessoas e bens, como "pedra da sorte" e contra o "mau-olhado". Outra das suas associações mais comuns é com o poder e com as riquezas materiais, pelo que também é usada como ingrediente de poções, em rituais ou para o fabrico de amuletos destinados a atrair a fortuna.
Cuidados e métodos de limpeza
A turquesa tem uma dureza de 5 - 6 (numa escala de 10), portanto, é mais branda do que os quartzos. Não deve ser colocada em água, sob pena de ela descolorar e tornar-se baça. O melhor método de limpeza é a visualização ou a defumação. Pode ainda ser purificada sobre uma drusa de quartzo.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O Chamado do Deus das Sombras

Ouça você as palavras do Senhor das Sombras, Aquele que desde os tempos antigos é chamado entre os homens de Anúbis, Hades, Arawyn, Plutão, Charon, Herne, Gwyn ap Nudd e muitos outros nomes:
Eu sou a Sombra do dia claro; Eu sou o que lembra da mortalidade no auge da vida. Eu sou o véu sem fim da Noite onde a Deusa Estelar dança. Eu sou a Morte que PRECISA existir para que a vida continue. Pois eis que a Vida é Imortal e o que é vivo deve morrer.
Eu sou a Força que protege, que impõe limites; Eu sou o Poder que diz: Não, e nada mais, e basta. Eu sou o que não pode ser dito e Eu sou o que ri na beira da Morte.
Venha comigo para a aconchegante e envolvente escuridão; sinta meus afagos nas mãos, na boca, no corpo daquele que você ama e seja transformado.
Reúnam-se em noites sem lua e falem em línguas desconhecidas; a Grande Mãe e Eu vamos escutá-los. Cante para nós, gritem e o poder será seu para exercê-lo.
Sopre-Me um beijo quando o céu estiver negro e Eu sorrirei. Mas não haverá um outro beijo em troca, com toda a certeza! Meu beijo é o último para toda a carne mortal.

Escrito por Christopher Hatton

A Lenda da Descida da Deusa


Nos tempos antigos, nosso Senhor, o Cornudo, era (e ainda é) o Consolador, o Confortador. Mas os homens o conheciam como o terrível Senhor das Sombras, solitário, inflexível e justo. Mas nossa Senhora, a Deusa resolveria todos os mistérios, até mesmo o mistério da morte; e assim ela viajou ao Mundo Subterrâneo. O Guardião dos Portais a desafiou...
"...Tira tuas vestes, põe de lado tuas jóias, pois nada tu podes trazer contigo o interior desta nossa terra."
Assim ela se despojou de suas vestes e de suas jóias, e foi amarrada, como todos os vivos que buscam ingressar nos domínios da Morte, a Poderosa, têm que ser.
Tal era a beleza dela, que a própria Morte se ajoelhou e depositou sua espada e coroa aos seus pés...
... e beijou seus pés, dizendo: "Abençoados sejam teus pés, que te trouxeram por estes caminhos. Permanece comigo, mas deixa que eu ponha minhas mãos frias sobre o teu coração."
E ela respondeu: "Eu não te amo. Por que fazes todas as coisas que amo e nas quais me comprazo fenecerem e morrerem?"
"Senhora" – respondeu a Morte – "trata-se da idade e da fatalidade, contra as quais sou impotente. A idade, o envelhecimento, leva todas as coisas a definharem; mas, quando os homens morrem ao desfecho de seu tempo, concedo-lhes repouso, paz e força para que possam retornar. Mas tu, tua és linda. Não retornes, permanece comigo." Mas ela respondeu: "Eu não te amo."
E então disse a Morte: "Se não recebem minhas mãos sobre seu coração, tens que te curvar ao açoite da Morte." "É a fatalidade, melhor assim..." – ela disse e se ajoelhou. E a Morte a açoitou brandamente.
E ela bradou: "Eu conheço as aflições do amor."
E a Morte se ergueu e disse: "Sejas abençoada." E lhe deu o beijo quíntuplo, dizendo: "Assim apenas pode atingir a alegria e o conhecimento."
Então a Morte desamarra os seus pulsos, depositando o cordel no chão.
E ele a ela ensina todos os seus mistérios e lhe dá o colar que é o círculo do renascimento.
A Deusa, então, toma a coroa e a recoloca na cabeça do Senhor do Mundo Subterrâneo.
E ela ensina a ele o mistério da taça sagrada, que é o caldeirão do renascimento.
A Deusa toma o cálice em ambas as mãos, eles se entreolham, e ele coloca ambas as mãos nas dela.
Eles amaram e se tornaram um, pois há três grandes mistérios na vida do homem, e a magia os controla todos. Para realizar o amor, tendes que retornar novamente no mesmo tempo e no mesmo lugar daqueles que são os amados; e tendes que encontrá-los, conhecê-los, lembrá-los e amarrá-los de novo.
O Senhor do Mundo Subterrâneo solta as mãos da Deusa e esta recoloca o cálice no seu lugar. Ele toma o açoite em sua mão esquerda e a espada na sua mão direita e fica na posição do Deus, antebraços cruzados sobre o peito, espada e açoite apontados para cima. Ela fica na posição da Deusa, pernas escarranchadas e braços estendidos formando o pentagrama.
Mas para renascer tendes que morrer e ser preparado para um novo corpo. E para morrer tendes que nascer, e sem amor não podes nascer. E nossa Deusa sempre se inclina para o amor, e o júbilo, e a ventura; e ela protege e acaricia suas crianças ocultas na vida, e na morte ministra o caminho da comunhão com ela; e mesmo neste mundo ela lhes ensina o mistério do Círculo Mágico, que é disposto entre os mundos dos homens e dos Deuses.

O Canto das Bruxas

Obscura noite e Lua brilhante,Atenda à Runa das Bruxas,Leste e sul, oeste e norte,Ouça! Venha! Eu vos chamo!
Pelas forças de terra e mar,obedeça-me.Bastão e Pentáculo e Espada,Atendem às minhas palavras.
Cordas e incensos, Chicote e Punhal,Despertem todos para a vida.Poderes da Lâmina dos Bruxos,Atendam ao chamado feito.
Rainha dos Céus, Rainha do Inferno,Envie seu auxílio ao encantamento.Caçador galhado da Noite,realize meu pedido por força de rito mágico.
Pelas forças de terra e mar,Enquanto digo "assim seja".Por todo o poder da lua e sol,Realize-se o meu desejo.

Escrito por Doreen Valiente

DICAS PARA UMA VIDA MAIS FELIZ!


· Dê mais às pessoas do que elas esperam, e faça-o com alegria.
· Case-se com quem você goste de conversar. À medida em que vocês forem envelhecendo, seu talento para a conversa se tornará tão importante quanto os outros todos.
· Não acredite em tudo o que ouve; não goste de tudo o que tem; não durma tanto quanto gostaria.
· Quando disser “eu te amo”, seja sincero.
· Quando disser “sinto muito” olhe nos olhos da pessoa.
· Fique noivo pelo menos 6 meses antes do casamento.
· Acredite no amor à primeira vista.
· Nunca ria dos sonhos dos outros. Quem não tem sonhos tem muito pouco.
· Ame profundamente e com paixão, você pode se ferir, mas é o único meio de viver uma vida completa.
· Quando se desentender, lute limpo. Por favor, nada de insultos.
· Não julgue ninguém pelos seus parentes.
· Fale devagar mas pense depressa.
· Quando lhe fizerem uma pergunta a que não quer responder, sorria e pergunte; “porque deseja saber?”.
· Lembre-se que grandes amores e grandes realizações envolvem grandes riscos.
· Diga “saúde” quando alguém espirrar.
· Quando você perder, não perca a lição.
· Recorde-se dos 3R; Respeito por si mesmo; Respeito pelos outros; Responsabilidade pelos seus atos.
· Não deixe uma pequena disputa afetar uma grande amizade.
· Quando notar que cometeu um engano, tome providências imediatas para corrigi-lo.
· Sorria quando atender o telefone. Quem chama vai percebe-lo na sua voz.
· Passe algum tempo sozinho e reflita.

Conexão com a Deusa


Aprendi em um dos cursos que freqüentei, que as bruxas e os bruxos solitários devem tentar criar seus próprios rituais.
Penso que aqueles que estão começando a trilhar este caminho, terão mais dúvidas em criar um feitiço, mas podem ir aos poucos e usar o exemplo à seguir:
Procure um local sossegado onde você possa contemplar a lua e não ser incomodado.
Respire fundo e relaxe.
Olhando para a lua, mentalize a Deusa e convide-a a ficar ao seu lado.
Sinta sua presença, e sinta seu manto de luz te abraçando.
Sinta essa imensa energia que ela irradia…
Diga isto, ou se quiser crie algo parecido:
“Minha amada Senhora de Prata!
Banha-me com tua Luz!
Penetre em meu interior,
E ilumine minha alma.
Torna-me forte na dor,
Torna-me bela(o) no Amor!”
Sinta-se preenchida(o) dessa luz com muita gratidão.
Permaneça no local o tempo que achar necessário.
Quando terminar não esqueça de agradecer a Deusa pela sua presença.
Aguarde as bençãos que virão!
Obs: com o tempo vá acrescentando detalhes nesta magia, faça pedidos, e sempre agradeça. Esta é uma magia simples para ir treinando e aos poucos aumentando.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

SÃO CIPRIANO

A lenda de São Cipriano - O Feiticeiro - confunde-se com um outro célebre Cipriano imortalizado na Igreja Católica, conhecido como Papa Africano. Apesar do abismo histórico que os afasta, as lendas combinam-se e os Ciprianos, muitas vezes, tornam-se um só na cultura popular. É comum encontrarmos fatos e características pessoais atribuídas equivocadamente. Além dos mesmos nomes, os mártires coexistiram, mas em regiões distintas.Cipriano – O Feiticeiro - é celebrado no dia 2 de Outubro. Foi um homem que dedicou boa parte de sua vida ao estudo das ciências ocultas. Após deparar-se com a jovem (Santa) Justina, converteu-se ao catolicismo. Martirizado e canonizado, sua popularidade excedeu a fé cristã devido ao famoso Livro de São Cipriano, um compilado de rituais de magia.A fantástica trajetória do Feiticeiro e Santo da Antioquia, representa o elo entre Deus e o Diabo, entre o puro e o pecaminoso, entre a soberba e a humildade. São Cipriano é mais que um personagem da Igreja Católica ou um livro de magia; é um símbolo da dualidade da fé humana.
O Feiticeiro
Filho de pais pagãos e muito ricos, nasceu em 250 d.C. na Antioquia, região situada entre a Síria e a Arábia, pertencente ao governo da Fenícia. Desde a infância, Cipriano foi induzido aos estudos da feitiçaria e das ciências ocultas como a alquimia, astrologia, adivinhação e as diversas modalidades de magia.Após muito tempo viajando pelo Egito, Grécia e outros países aperfeiçoando seus conhecimentos, aos trinta anos de idade Cipriano chega à Babilônia a fim de conhecer a cultura ocultista dos Caldeus. Foi nesta época que encontrou a bruxa Évora, onde teve a oportunidade de intensificar seus estudos e aprimorar a técnica da premonição. Évora morreu em avançada idade, mas deixou seus manuscritos para Cipriano, dos quais foram de grande proveito. Assim, o feiticeiro dedicou-se arduamente, e logo se tornou conhecido, respeitado e temido por onde passava.

A Conversão Cristã
Vivia em Antioquia a bela e rica donzela Justina. Seu pai Edeso e sua mãe Cledonia, a educaram nas tradições pagãs. Porém, ouvindo as pregações do diácono Prailo, Justina converteu-se ao cristianismo, dedicando sua vida as orações, consagrando e preservando sua virgindade.Um jovem rico chamado Aglaide apaixonou-se por Justina. Os pais da donzela (também convertidos à fé Cristã) concederam-na por esposa. Porém, Justina não aceitou casar-se. Aglaide recorreu a Cipriano para que o feiticeiro aplicasse seu poder, de modo que a donzela abandonasse a fé e se entregasse ao matrimônio.Cipriano investiu a tentação demoníaca sobre Justina. Fez uso de um pó que despertaria a luxúria, ofereceu sacrifícios e empregou diversas obras malignas. Mas não obteve resultado, pois Justina defendia-se com orações e o Sinal da Cruz.A ineficácia dos feitiços fez com que Cipriano se desiludisse profundamente perante sua fé e se voltasse contra o demônio. Influenciado por um amigo cristão de nome Eusébio, o bruxo converteu-se ao cristianismo, chegando a queimar seus manuscritos de feitiçaria e distribuir seus bens entre os pobres.

Os Fantasmas
Em um capítulo de seu livro, Cipriano narra um episódio ocorrido após sua conversão:"Numa noite de sexta-feira, caminhava por uma rua deserta quando se deparou com quatorze fantasmas. Essas aparições eram bruxas que imploravam ajuda. Cipriano respondeu-lhes que havia se arrependido de sua vida de feiticeiro, e que havia se tornado temente a Jesus Cristo. Logo depois caiu em sono profundo, e sonhou que a oração do Anjo Custódio o livraria daqueles fantasmas. Ao despertar teve uma breve visão do Anjo. Assim, auxiliado pela oração de São Gregório e do Anjo Custódio, esconjurou e livrou a alma atormentada das bruxas."

A Morte
As notícias da conversão e das obras cristãs de Cipriano e Justina, chegaram até o imperador Diocleciano que se encontrava na Nicomédia. Assim, logo foram perseguidos, presos e torturados. Frente ao imperador, viram-se forçados a negar a fé cristã. Justina foi chicoteada, e Cipriano açoitado com pentes de ferro. Não cederam.Irritado com a resistência, Diocleciano ainda lançou Cipriano e Justina numa caldeira fervente de banha e cera. Os mártires não renunciaram, e tampouco transpareciam sofrimento. O feiticeiro Athanasio (que havia sido discípulo de Cipriano) julgou que as torturas não surtiam efeito devido a algum sortilégio lançado por seu ex-mestre. Na tentativa de desafiar Cipriano e elevar a própria moral, Athanasio invocou os demônios e atirou-se na caldeira. Seu corpo foi dizimado pelo calor em poucos segundos.
Após este fato, o imperador Diocleciano finalmente ordenou a morte de Justina e Cipriano. No dia 26 de Setembro de 304, os mártires e um outro cristão de nome Teotiso, foram decapitados às margens do Rio Galo da Nicomédia. Os corpos ficaram expostos por 6 dias, até que um grupo de cristãos recolheu e os levou para Roma, ficando sob os cuidados de uma senhora chamada Rufina. Já no império de Constantino, os restos mortais foram enviados para a Basílica de São João Latrão.

O Livro
O famoso Livro de São Cipriano foi redigido antes de sua conversão, mas o mistério que envolve a vida do Santo interfere também em seu livro. Uma parte dos manuscritos foi queimada por ele mesmo. A questão é que não se sabe quando, e por quem os registros foram reunidos e traduzidos do hebraico para o latim, e posteriormente levados para diversas partes do mundo.No decorrer dos anos, o conteúdo sofreu alterações significativas. Houve uma adaptação de acordo com as necessidades e possibilidades contemporâneas; além da adequação necessária na tradução para os vários idiomas. Esses fatores colocam em dúvida a fidelidade das versões recentes, se comparadas às mais antigas.Atualmente, não é possível falar do Livro, mas sim dos Livros de São Cipriano. As edições capa preta e capa de aço; ou aquelas intituladas como o autêntico, o verdadeiro, ou o único, enfatizam um mesmo acervo mágico central, e ainda exaltam o cristianismo e a vitória do bem sobre o mal. Porém, existem grandes diferenças no conteúdo. Enquanto alguns exemplares apresentam histórias e rituais inofensivos, outros apelam para campos negativistas e destrutivos da magia.
Num aspecto geral, encontra-se instruções aos religiosos para tratar de uma moléstia, além de cartomancia, esconjurações e exorcismos. A Oração da Cabra Preta, Oração do Anjo Custódio e outras da crença popular também são inclusas (Magnificat, Cruz de São Bento, Oração para Assistir aos Enfermos na Hora da Morte, etc.). Além dos rituais de como obter um pacto com o demônio, como desmanchar um casamento e da caveira iluminada com velas de sebo.No Brasil, o Livro de São Cipriano é usado largamente nas religiões afro-brasileiras, e se tornou um "almanaque ocultista" de fácil acesso que se dilui na crendice popular. Há ainda os mitos que o cercam: muitos consideram ser pecado possuí-lo ou simplesmente tocá-lo. De qualquer forma, o tema São Cipriano e tudo que o cerca, é um campo de estudo e pesquisa muito interessante para os ocultistas, religiosos e aventureiros.

ORAÇÃO À SENHORA DO SAMHAIN

ORAÇÃO À SENHORA DO SAMHAIN(Texto de Mavesper Cy Ceridwen)Senhora,Faze da minha Vida um hino a TiQue minha voz cante tuas canções,Que meus dedos descrevam tuas maravilhas,Que minha mente consiga receber e traduzir tuas palavrasAh, Mãe, a terra é tua, como eu sou tua.Ah, Mãe, a terra é minha, como és minha.Senhora de Tudo o que existe,Senhora de Tudo o que háEnsina-me a lição mais simples:Que por ti eu sempre saiba sonhar,Que por ti eu aprenda a brilhar!E no pó colorido das estrelas de teu mantoSorrias em cada lágrima, em cada pranto.E na centelha de vida que se esvai,Sejas sempre amada e nos amai.

Correspondência de Samhain


Correspondência de SamhainCores: preto e laranjaNomes Alternativos: Festa de Todos os Santos, All Hallows, Mischief Night, Hallowmas, Noite de Saman, Samaine, Halloween, All Hallows Eve.Deuses: Deuses Anciãos, a Deusa na sua face da Anciã, o Deus como o Senhor das Sombras.Ervas: nós-moscada, sálvia, menta, mirra, patchuli, Artemísia, alecrim, musgo, calêndula, louro, mandrágora.Pedras: obsidiana, floco de neve, ônix, cornalina, turmalina negra, âmbar, granada, hematita.Atividades:· Tomar resoluções para serem colocadas em prática no próximo ano que se inicia.· Queima de pedidos.· Confeccionar um Jack O’Lantern.· Fazer oferendas de maçãs e pães no jardim dos ancestrais.· Adivinhação através do Tarô, das Runas, da bola de cristal, da vidência em espelho negro e caldeirões com água.· Fazer máscaras que expressem a sua sombra.· Confeccionar vassouras.·Acender uma vela laranja à meia-noite para atrair sorte no ano que se inicia.Erigir um Altar com a foto de seus ancestrais amados e colocar oferendas sobre ele, demonstrando seu agradecimento e reconhecimento pelos feitos deles na Terra.Faça um altar com toalha preta, maçãs, bolos, um copo de vinho e fotos de seus ancestrais e amigos falecidos.Na noite de Samhain, vista-se de preto, use velas pretas e brancas (que representam a Deusa da Morte, a Senhora da face Pálida).Prepare uma grande ceia festiva, compartilhe histórias alegres sobre os que se foram - mas vivem em nossas memórias - e coloque à mesa um prato servido de toda as iguarias e um copo de sidra de maçã, para que nossos mortos queridos compartilhem conosco da festa e da refeição.Óleo de Samhain - Em base de óleo de amêndoa coloque alecrim, calêndula, sementes de abóbora, cascas de maçã, sálvia, cascas de nozes, agulhas de pinheiro, alho e essência de vetiver e verbena.Bolo de Samhain - Faça para os ancestrais bolo de frutas com canela.Poção de Proteção de Samhain - Cozinhe em seu caldeirão meia xícara de água, com meia xícara de óleo de semente de uva, essência de patchouly, mirra, olíbano, pétalas de girassol, cascas e sementes de maçã, sálvia, cedro, mandrágora, pelo de cão preto, pelo de gato preto, uma pena preta. Deixe esfriar e acrescente 13 pregos de ferro, 13 cristais de quartzo pequenos e uma hematita. Enterre em seu jardim na noite de Samhain e use após 9 noites. Coloque a poção (algumas gotas) onde você desejar proteção.Celebre Samhain consultando seus oráculos (tarot, runas, ogham).Comidas e Bebidas Sagradas: maçã, romã, nozes, cidra, vinho quente, abóbora, chá de ervas, batata.Queima de Pedidos :A Queima de pedidos é um dos rituais tradicionais de Samhain. Nele banimos tudo o que tivemos de negativo e pedimos o que queremos atrair de positivo para o ano mágico que se inicia. Para isso você vai precisar de: Dois pedaços de papel em branco; Um lápis; Álcool de cereais; Folhas de louro; seu Caldeirão.Num dos papéis escreva tudo aquilo que você quer afastar de sua vida: obstáculos, doenças, pessoas indesejadas, dificuldades, etc.No outro escreva tudo aquilo que você quer atrair para a sua vida: saúde, prosperidade, amor, sucesso, etc.Seja bem específico em seus pedidos e não se esqueça de no final assinar e colocar a seguinte frase: Que tudo isso seja correto e para o bem de todos.Coloque um pouco de álcool no seu Caldeirão, acenda-o e jogue o primeiro papel, aquele que contém as coisas que você quer afastar, no fogo. Enquanto o papel queima, mentalize o mal sendo afastado. Peça à Deusa e ao Deus que todas as forças negativas sejam anuladas e que o mal seja banido.Espere o fogo acabar, então coloque um pouco mais de álcool no Caldeirão, tomando o devido cuidado, pois o álcool quando colocado em um recipiente quente evapora e pode entrar em combustão espontaneamente. Jogue então o segundo papel, aquele que contém as coisas que você quer atrair para a sua vida, no fogo. Coloque as folhas de louro nas chamas, sempre mentalizando as boas coisas que você quer atrair para a sua vida.Quando o fogo acabar, concentre-se na fumaça, provocada pelas folhas, subindo os céus, e peça que seus pedidos se elevem ao mundo dos Deuses.Confeccionando um Jack O’Lantern :A confecção do Jack O’Lantern é uma atividade tradicional desse Sabbat.Eles enfeitam toda a nossa casa no decorrer do dia, além de servirem de ornamentação indispensável para a cerimônia de Sabbat.Coloque um Jack do lado de fora de sua casa na noite de Samhain para afastar o s maus espíritos e visitas indesejadas de outros planos.Para confeccionar um Jack você vai precisar de: Uma abóbora ou moranga; Uma faca; Uma vela branca; Um óleo essencial de patchuli.Faça uma tampa na parte superior da abóbora, retire suas sementes e com a faca entalhe uma face na abóbora da forma que você achar melhor. Unja a vela branca com a essência de patchuli e coloque-a dentro da abóbora. Acenda a vela dizendo:Com esta vela, por esta luz e pela brisa que vem do além , Eu dou as boas-vindas aos espíritos nesta noite de Samhain.Trançando uma Corda de Bruxa:Trançar uma Corda de Bruxa (Witch’s Cord) é um ato tradicional na noite do Samhain. Elas simbolizam o cordão que liga todos nós ao Outro Mundo, além de serem uma representação simbólica do cordão umbilical que traz todos à vida terrestre.A Corda de Bruxa é confeccionada utilizando cores apropriadas que simbolizem aquilo que você quer atrair para sua vida no ano mágico que se inicia.Por isso escolher a cor correta para confeccionar sua Corda de Bruxa é essencial:Branco: Para harmonia.Vermelho: Para afastar os inimigos, vencer os obstáculos, atrair garra e coragem.Laranja: Para sucesso e prosperidade.Rosa: Para atrair amor.Preto: Para proteção e afastar o azar.Verde: Para abundância.Amarelo: Para atrair saúde e ter sorte no comércio.Caso sua necessidade seja maior do que apenas uma cor pode lhe oferecer, você poderá escolher até três cores diferentes que representem os seus desejos para o próximo ano.Pegue três barbantes na cor ou cores escolhidas e corte-os na medida de sua altura. Então comece a trançar os barbantes, sempre mentalizando aquilo que você quer atrair para a sua vida, pedindo que a Deusa e que o Deus lhe auxiliem e abençoem a corda que você está trançando. Quando tiver terminado, costure ou cole alguns símbolos no decorrer da corda que representem o seu objetivo. Por exemplo: corações para amor; moedas para prosperidade, etc. Coloque a sua Corda sobre o seu Altar durante a celebração do Sabbat e consagre-a durante a cerimônia. Pendure a sua Corda de Bruxa em um lugar de sua casa e, sempre que visualizá-la, lembre-se dos objetivos que o motivaram a confeccioná-la. Assim sua vontade será ativada.Cordão de Samhain:Faça uma pequena trança de lã com as cores deste Sabbat: preto, laranja e roxo. Energizando-a no dia 31 com todos os projetos que você deseja para o próximo ano e com a proteção dos Deuses para esse período. Este será o Cordão de Samhain, (Corda de Bruxa) que servirá de proteção aos seus projetos durante o decorrer do ano.O Ritual de Samhain
Material necessário: Caldeirão; Uma vela preta; Uma vela laranja; Uma maçã; Um pão feito por você; Uma romã; Dois pedaços de papel em branco; Lápis; Alecrim; Uma colher de pau; Álcool de cereais; O Cálice com vinho.Procedimento:Coloque o Caldeirão sobre o Altar e disponha a vela laranja do lado direito e a vela preta do lado esquerdo.Coloque a maçã perto da vela laranja e a romã perto da vela preta.Trace o Círculo Mágico e então diga:Neste dia sagrado, no qual o véu que separa os mundos se encontra mais fino, somos visitados por nossos ancestrais.Que a Deusa Anciã e o Senhor das Sombras possam abençoar todos os amados que viverem partilhar deste Rito de Sabbat.Acenda as velas, dizendo:Sagrados Ancestrais, venham a mim. Nesta noite eu canto a magia e realizo este ritual em homenagem àqueles que partiram ao País de Verão. Que este Rito seja agradável aos olhos daqueles que já se foram. Abençoados sejam todos eles.Eleve o Caldeirão, dizendo:Este é o ventre da Mãe, o Caldeirão dos fins e recomeços.Coloque-o novamente no lugar e pegue um pedaço de papel. Nele escreva tudo o que você quer afastar de sua vida.Acenda-o na vela preta e deixe-o queimar dentro do Caldeirão.Pegue o outro pedaço de papel e escreva tudo o que você quer atrair para a sua vida. Acenda-o na vela laranja e deixe-o queimar dentro do Caldeirão.Coloque o alecrim no Caldeirão, junto com as cinzas, e comece a mexer a mistura no sentido horário, dizendo:Que o velho morra e que o novo possa entrar.Pelo poder da Vida e da Morte, Saúdo os espíritos desta noite de Samhaim.Coloque um pouco de álcool no Caldeirão e então ponha fogo, dizendo:Através desta luz e o elo mar além, Saúdo todos os espíritos nesta noite de Samhaim.Olhe para as chamas do fogo e mentalize todos os seus desejos.Com o seu Athame, abra a romã, coma algumas sementes, enquanto pensa em todas as coisas negativas que quer afastar de sua vida.Coloque algumas sementes no fogo.Parta a maçã ao meio, coma uma das partes e jogue um pequeno pedaço nas chamas do Caldeirão.Mentalize agora tudo o que você quer atrair de positivo.Com a sua colher de pau, mexa o conteúdo de seu Caldeirão e então diga:Que o negativo se torne positivo, Que o mal se transforme em bem, Que a doença se torne saúde, E o ódio em amor.Beba um gole do vinho e despeje um pouco dentro do Caldeirão, fazendo uma libação, enquanto diz:Faço esta libação em homenagem à Deusa e ao Deus.Homenageio também a todos os meus Ancestrais. Que assim seja e que assim se faça!Toque o pão com o Bastão e diga:Eu te consagro em nome dos Antigos.Que você me traga saúde, sucesso, prosperidade e amor.Coma um pedaço do pão.Cante, dance e festeje em homenagem à Deusa e aos seus antepassados.Agradeça aos Ancestrais e desfaça o Círculo.Coloque o resto do pão no seu jardim ou aos pés de uma árvore como oferenda aos seus ancestrais.

Samhain – A Morte do Deus

Samhain (pronuncia-se Sou-ein), é o Ano-Novo dos Bruxos.No dia 31 de Outubro, comemoramos o antigo "Festival Celta dos Ancestrais".Essa noite era considerada a "Noite Entre os Tempos", porque nem fazia parte do ano que se encerrava, nem do que começava.Era um tempo mágico, de pausa, em que os véus entre os mundos dos mortos e dos vivos se esgarçava e o contato com nossos ancestrais torna-se mais fácil.Os Portões das Sidhe estão abertos e nem humanos nem fadas precisam de senhas para entrar e sair.O poder de magia pode ser sentido no ar, nessa noite.O Outro Mundo se coaduna com o nosso conforme a luz do Sol baixa e o crepúsculo chega. Os espíritos daqueles que já partiram para o outro plano são mais acessíveis durante a noite de Samhain.Samhain é uma Festa de Reencontro, o mais festivo dos Sabbats para os wiccanianos.A morte das pessoas é, como a da vegetação e das ovelhas, parte da natureza, apenas uma etapa necessária para haver o reinício dos ciclos e logo haveria um renascimento.O Jack Lanterna, a popular máscara de abóbora escavada com uma vela dentro (que na Europa era feita em grandes nabos), era colocado no pórtico das casas ou das janelas.Não para "espantar maus espíritos", mas sim para que os espíritos das pessoas daquela família reencontrassem facilmente as casas onde viveram.O Samhain é um período de reflexão, de análise do ano que se finda, de ajustar contas com o fenômeno da vida sobre o qual não exercemos controle - a morteAntigamente, o Samhain marcava um período de sacrifício.Em alguns lugares, esta era a época de sacrifícios animais para assegurar comida durante as profundezas do inverno.O Deus - identificado com os animais - também tombava para garantir a continuidade de nossa existência.Samhain é o último dos 3 sabbats da colheita e nele celebramos a morte do Deus, que volta para o ventre grávido da Deusa, para renascer como a Criança Prometida de Yule.Mas por que justamente nessa noite é que isso ocorria?Samhain ocorre no pico do Outono também chamado a Festa das Maçãs.É o tempo do ano em que o frio cresce e a morte vaga pela Terra.O Sol está enfraquecendo cada vez mais rapidamente, a sombra cresce e as folhas das árvores estão caindo, numa preparação ao Inverno que chegará.Essa era a época da terceira e última colheita, antes que a neve do rigoroso inverno europeu matasse, praticamente, toda a vegetação.Os preparativos para a estocagem dos alimentos já estavam terminando, pois por todo o rigoroso inverno a colheita iniciada em junho deveria durar.O que não fosse colhido até o dia de Samhain era deixado para apodrecer nos campos.Era também o tempo em que os antigos povos da Europa sacrificavam seus gados (especialmente de ovelhas) e preservavam sua carne para o Inverno, pois esses animais não podiam sobreviver em grande escala nesse período do ano devido ao frio vindouro.Só uma pequena parte, os mais viris e fortes, era mantida para o ano seguinte.Assim, não é estranho entender porque as pessoas pensavam em sua própria morte e na daqueles que os antecederam.Samhain é a noite em que o Velho Rei morre e a Deusa Anciã lamenta sua ausência nas próximas seis semanas. O Sol está em seu ponto mais baixo no horizonte, de acordo com as medições feitas através das antigas pedras da Britânia e da Irlanda, razão pela qual os Celtas escolheram esse Sabbat, em vez de Yule, para representar o Ano-Novo. Para os Antigos Celtas esse dia sagrado dividida o ano em duas estações, Inverno e Verão.Samhain era o dia no qual começavam o Ano-Novo celta e o Inverno, por isso era um tempo ideal para términos e começos.. Em Samhain, o Deus finalmente morre, mas sua alma vive na criança não-nascida, a centelha de vida no ventre da Deusa. Isto simboliza a morte das plantas e a hibernação dos animais, o Deus torna-se então o Senhor da Morte e das Sombras.Samhain é um festival do fogo e é a entrada para a parte sombria e fria da Roda do Ano. É em Samhain que as fogueiras são acesas para que os espíritos do outro mundo possam encontrar os caminhos para partirem ao Outro Mundo (País de Verão).Samhain é o tempo de lembrarmos com amor aqueles que partiram para o outro lado, por isso é chamado de a Festa Ancestral. Toda a família, ou grupo se reúne para reverenciar os que já partiram. É muito comum nesse Sabbat se realizar uma ceia em silêncio, conectando-se com aqueles que já cruzaram os portais dos mundos. É tradicional também deixar um lugar à mesa para os ancestrais e lhes servir pratos como se eles estivessem presentes á ceia.Para aqueles que não têm família para festejar e celebrar seus ancestrais, alimentos geralmente são deixados do lado de fora de casa, na porta de entrada, em homenagem aos familiares e amigos desencarnados.É também tradicional deixar uma vela acesa na janela da casa para ajudar a guiar os espíritos ao longo de sua caminhada ao nosso mundo para que possam encontrar o caminho de volta.De acordo com os antigos celtas, havia apenas duas divisões do ano que iam de Beltane a Samhain (Verão) e de Samhain a Beltane (Inverno).Samhain é um dos quatro grandes Sabbats e muitas vezes é considerado o Grande Sabbat.Por ser o maior de todos e o mais importante também, todos os Pagãos consideram Samhain como a noite mais mágica do ano. Muitas práticas adivinhatórias foram associadas a Samhain, as mais comuns eram aquelas que prenunciavam casamentos e fortunas para o próximo ano que estava se iniciando.Uma das tradições mais comuns praticadas pelos povos antigos era a de colocar várias maçãs em um grande barril de água. Várias mulheres se reuniam em volta do barril, e a primeira que conseguisse pegar uma das maçãs seria a primeira a casar no próximo ano.Na Escócia, colocavam-se pedras entre as cinzas da lareira, deixando-as “descansar” durante a noite. Se alguma pedra fosse descoberta durante a noite, representaria a morte iminente durante o próximo ano de um dos moradores da residência.Sem sombra de dúvida a prática mais famosa do Samhain é o Jack O’Lantern (máscaras de abóboras), que sobrevive até hoje nas modernas celebrações do Halloween. Vários historiadores atribuem suas origens aos escoceses, enquanto outros lhe conferem origem irlandesa. As máscaras eram utilizadas por pessoas que precisavam sair durante a noite de Samhain. As sombras provocadas pela face esculpida n abóbora tinham a virtude de afastar os maus espíritos e todos os seres do outro mundo que vinham para perturbar. Máscaras de abóboras também eram colocadas nos batentes das janelas e em frente à porta de entrada para proteger toda a casa.O costume norte-americano de vestir-se com trajes típicos e sair pelas casas dizendo Trick or treating, nas noites de Halloween, é de origem céltica. Nos tempos antigos, o costume não era relegado às crianças, mas sim aos adultos. Em tempos ancestrais, os vagantes iam cantando cânticos da época de casa em casa e eram presenteados com agrados pelo seus habitantes. O Treat (presente) também era requerido pelos espíritos ancestrais nessa noite através de oferendas.O Deus neste período é identificado com os animais que eram sacrificados para continuidade da vida.Samhain é um tempo para a reflexão, no qual olhamos para o ano mágico que passou e estabelecemos as metas para nossa vida no ano que entra.

A celebração do 31 de Outubro!

Algumas celebrações vem sendo ultimamente promovida por diversos grupos “neo pagãos”, e em alguns casos assumem até mesmo o caráter de celebração satânica e ocultista.
Os filmes de cinema contribuem para isso com a série Halloween entre vários filmes de terror, na qual a violência plástica e os assassinatos criam no espectador um estado de angústia e ansiedade.
Muitos desses filmes, apesar das restrições de exibição, acabam sendo vistos por crianças, gerando nelas o medo e uma idéia errônea da realidade.
A ligação dessa festa com o mal e com o ocultismo se aplica também pelo fato de que na noite do 31 de outubro se realizam na Irlanda, nos Estados Unidos, no México e em outros países missas negras e outras reuniões desse tipo.
Na celebração atual do Halloween, podemos notar a presença de muitos elementos com relação ao negativo. Sendo que a origem acaba nem sendo festejada realmente.
As fantasias, enfeites e outros itens comercializados por ocasião dessa festa estão repletos de coisas feias, e fugindo da alegria e da comemoração.
Com o tempo quiseram acrescentar medo ao dia, e “debochadamente” criaram um dia de farra que deixou de ser uma comemoração familiar.
No Brasil, pouco se comemorou o Halloween, pois mal chegamos a conhecer a tradição, conhecemos o declínio dela.
Vamos comemorar o Halloween junto com as pessoas que acreditam na tradição e a respeitam. Quando estive nos Estados Unidos na época de Halloween, conheci uma cultura linda de decoração das casas, e a qualidade de festa voltada para as crianças.
Não só as crianças, mas os adultos gostam deste conto de fadas por um dia, então vamos cultivar o amor no coração e aproveitar o que as festas nos trazem de prazer.
Enfeite sua casa, faça festas e use as famosas fantasias!
Todas as festas do mundo, quando feitas na paz, são válidas em todas as nações.

Magia dos enfeites para o Halloween.

As crianças participam desta festa e com a ajuda dos pais, usam fantasias e partem de porta em porta na vizinhança, onde soltam a frase “doçura ou travessura”. Felizes, terminam a noite do 31 de outubro, com sacos cheios de guloseimas, balas, chocolates e doces.
Muitos brasileiros defendem que a data nada tem a ver com nossa cultura e, portanto, deveria ser deixada de lado. Argumentam que o Brasil tem um rico folclore que deveria ser mais valorizado.
Para tanto, foi criado pelo governo, em 2005, o Dia do Saci (comemorado também em 31 de outubro).
Para quem quiser entrar nesta festa aqui tem alguns significados simbólicos:
A abóbora simboliza a fertilidade e a sabedoria. Foi utilizada como proteção para que uma vela não se apagasse em uma historia fictícia e perdurou na tradição das festas de halloween.
A vela indica os caminhos para os espíritos do outro plano astral. No Halloween são usadas nas cores roxa, preta e laranja.
O caldeirão faz parte da cultura e da tradição. Dentro dele, os convidados devem atirar moedas ou mensagens escritas com pedidos dirigidos aos espíritos ou desejos. É dentro dele que as coisas se transformam: o grão se torna alimento, a raiz vira remédio. É nele que as bruxas preparam feitiços, poções e acendem o fogo para os rituais.. Ritual: os bilhetes com os pedidos, devem ser incinerados para que os pedidos sejam mais rapidamente atendidos, pois se elevarão através da fumaça.
A vassoura simboliza o poder feminino que pode efetuar a limpeza da eletricidade negativa. Equivocadamente, pensa-se que ela servia para transporte das bruxas. É importante ficar atento, pois uma vassoura de Halloween não varre o chão. Aliás, sequer deve tocá-lo. Ela serve para varrer as más energias.
As moedas devem ser recolhidas no final da festa para serem doadas aos necessitados.
As máscaras personificam e caracterizam, estimulam a criatividade e divertem. E representam desejos frustrados.
Os chapéus pontudos simbolizam a hierarquia sacerdotal entre as bruxas e direciona a conexão com o Universo.
Os monstros simbolizam as transformações. É uma forma de colocar para fora tudo aquilo que não serve mais, de tirar de dentro de si tudo aquilo que está velho. E então abrir lugar para o novo.
A coroa e o bastão são símbolos de autoridade e comando, de realeza, de elevado nível cósmico.
A varinha mágica é o instrumento direcionador de energias, com ela as bruxas são capazes de invocar deuses e direcionar as magias e desejos.
O cajado simboliza a sabedoria e o desligamento do que é material.

Magia dos animais e das cores no Halloween.

Use a criatividade na festa do Halloween e comemore com nossos seres da literatura brasileira como a sereia, curupira e o amado Saci (que é seu dia também).
Significados para auxiliar em sua decoração:
A aranha simboliza o destino e o fio que tecem suas teias o caminho a percorrer, um meio, um suporte para seguir em frente.
O morcego simboliza a clarividência, pois vêem além das formas e das aparências, sem necessidades da visão ocular. Captam os campos magnéticos pela força da própria energia e sensibilidade.
O sapo está ligado à simbologia do poder da sabedoria feminina, símbolo lunar e atributo dos mortos e de magia feminina.
O gato preto é o símbolo da capacidade de meditação e recolhimento espiritual, autoconfiança, independência e liberdade. Plena harmonia com o Unirverso. Era visto sempre ao lado de uma feiticeira, e acreditava-se que este mascote era uma bruxa disfarçada.
A coruja é o símbolo da paciência. Representa a capacidade de reflexão diante das dificuldades e lucidez para encontrar saídas.
As cores:
Laranja é a cor da vitalidade e da energia que gera força. Os druidas acreditavam que nesta noite, passagem para o Ano Novo, espíritos de outros planos se aproximavam dos vivos para vampirizar a energia vital encontrada na cor laranja.
Preto é a cor sacerdotal das vestes de muitos magos, bruxas, feiticeiras e sacerdotes em geral. Cor do mestre.
Roxo é a cor da magia ritualística, mística e superior.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Ágata Verde

As ágatas sempre despertaram o interesse das pessoas, especialmente por existirem em tantas cores e variedades. Elas têm sido trabalhadas desde a Antiguidade, usadas em joalharia, em curas e como talismãs. É uma pedra do grupo dos quartzos, pelo que detém muitas das propriedades destes, bem como outras, dependendo da sua coloração. No entanto, todas elas estão associadas à felicidade e à fortuna.
A ágata verde relaciona-se com o chakra cardíaco, inspirando serenidade e compaixão. Como todas as ágatas, ela contém luz* que dissipa as negatividades exteriores e ilumina o Ser interior. É uma excelente pedra para meditação.
Em cristaloterapia, esta pedra é usada para:
- aliviar inflamações e outros problemas nas articulações
- tratar distúrbios do sistema digestivo, especialmente dos intestinos
- tratar problemas de sangue e circulação
- limpar o sistema linfático
Ao nível psicológico:
- actua contra as depressões
- combate problemas de auto-estima
- melhora a flexibilidade mental e emocional, ajudando na resolução de conflitos
- harmoniza os sentimentos, inspirando calma e bem-estar
Em Magia:
- serve como talismã que protege mãe e filho durante a gravidez
- protege também a casa e o lar
- são usadas para atrair o amor
É ainda uma pedra atribuída a Mercúrio, pelo que é útil em todos os trabalhos feitos sob a sua influência. Ao estudá-la encontrei referências a que está associada a várias profissões, nomeadamente:
- dentistas
- educadores
- motoristas
- policias
- telefonistas
- vendedores
- construtores e operários de construção
* A "luz" das ágatas constitui uma das formas de verificar a autenticidade de uma pedra. Para tal, basta observar as pedras semi-transparentes contra a luz (não funciona com as opacas). No seu interior estará um brilho dourado-alaranjado.

A HISTÓRIA DE LILITH (Tradição Judía)

Se Eva se acusou de ter atraído a morte, o pecado e a tristeza ao mundo, Lilith já era demoníaca desde que foi criada. Lilith surgiu do intento de compreender a difrença entre os mitos da criação de Gênesis, já que em sus primeira história em Gênesis 1, homem e mulher são criados iguais e conjuntamente, enquanto na segunda história, em Gênesis 3, a mulher é criada depois do homem e a partir de seu corpo. Segundo as lendas, Lilith era a primeira esposa, que era bem pior que a segunda. No entanto, a figura escolhida para desempenhar esse papel na lenda judia era originariamente suméria, a resplandecente "Rainha do Céu", cujo nome "Lil" significava "ar" ou "tormenta". As vezes se tratava de uma presença ambígua, amante dos "lugares selvagens e desabitados", associada também com o aspecto obscuro da Deusa Inanna e com sua irmã Ereshkigal, Rainha do Mundo Subterrâneo". Aparece pela primeira vez no poema sobre Inanna, quando o herói Gilgamesh tala a árvore de Inanna:

"Gilgamesh golpeou a serpente que não podia ser encantada.
O pássaro Anzu voou com suas crias às montanhas;
e Lilith aniquilou seu lar e retirou-se aos lugares selvagens e desabitados."

"Lil" também era a palavra sumero-acádia que designava a "tormenta de pó" ou "nuvem de pó", um termo que também se aplicava aos fantasmas, cuja forma era uma nuvem de pó e cujo o alimento era supostamente o pó da terra. Na língua semítica "liliatu" era então "a criada de um fantasma", porém prontamente se fundiu com a palavra "layil", "noite", e se converteu em uma palavra que se designava a um demônio noturno.

A "lílít" do texto hebraico se traduz na versão grega de Septuaginta e por Lamia na Vulgata latina de São Jerônimo. As "lamiae" são muito conhecidas nas tradições gregas e latinas, como monstros voadores noturnos, que sempre aparecem sob o aspecto de pássaros. A maioria dos autores, afirma que as lamias são monstros femininos que devoram homens e crianças. Portanto, as lamias e Lilith têm muitos pontos em comum e foram convertidas em "vampiras".

No mito hebreu, Lilith, portanto, acumulou sem descanso todas as associações à noite e à morte. é possível que a imagem hebréia de Lilith se baseasse nas imagens de Inanna-Isthar como Deusa das grandes alturas e de grandes profundidades, porém, compreensivelmente rebaixada ao ser percebida desde o ponto de vista de um povo deportado à BABILÔNIA.

Só há uma referência à Lilit, como coruja, no Antigo Testamento. É encontrada no meio de uma profecia de Isaías. No dia da vingança de Yahvé, quando a terra se envolverá num deserto,"e um sátiro chamará o outro; também ali repousará Lilith e nele encontrará descanso." Inanna e Isthar eram chamadas de "Divina Senhora Coruja" (Nin-nnina Kilili). Isso pode explicar de onde provêm Lilith e porque era representada como uma coruja.

Uma versão da Criação de Lilith na mitologia Hebréia conta que Yahvé fez Lilith, como a Adão, porém no lugar de usar terra limpa, "tomou a sujeira e sedimentos impuros da terra, e deles formou uma mulher. Como era de se esperar, essa criatura resultou ser um espírito maligno". Lilith se converteu a posteriori na primeira esposa de Adão, cuja presença original nunca terminou de eliminar-se totalmente de de seu segundo matrimônio. O que falhou no primeiro foi obviamente a independência de Lilih e sua igualdade com Adão, por isso depois criou-se Eva. Em conseqüência, a lenda tacha de insubordinação a atitude por parte de Lilith, pois, segundo a história, se negava a aceitar seu "lugar apropriado" que aparentemente era permanecer debaixo de Adão durante a relação sexual:

-"Porque teria que ficar debaixo de ti quando sou tua igual, já que ambos fomos criados de barro?", pergunta ela.
Adão não sabe contestar essa pergunta, de maneira que, pronunciando o nome mágico de Deus e Lilith se foi voando pelos ares até o Mar Vermelho. Ali dá à luz a mais de 100 demônios por dia

Adão fala de sua esposa a Yahvé, e esse enviou a sua procura os três anjos Senoi, Sansenoi e Samanglof, que a encontraram nas margens do Mar Vermelho, onde mais tarde as tropas egípcias seriam engolidas por ordem de Moisés.
Lilith se negou a voltar a ocupar seu lugar junto de Adão e ameaça dizendo que possui poder de matar crianças. Então os anjos tentaram afogá-la no Mar Vermelho, porém Lilith advogou em causa própria e salvou sua vida com a condição de jamais causar dano a uma criança recém-nascida de onde viera seu nome escrito.

Finalmente Yahvé deu a Lilith, Sammael (Satã), e ela foi a primeira das quatro esposas do diabo e a perseguidora dos recém-nascidos.

Mas, em conseqüência dessa fala, a ordem divina se converteu no centro de todas as fantasias de terror que provoca a sensação de indefesa. Lilith poderia aparecer em qualquer momento da noite, ela ou algum de seus demônios, para levar uma criança, aterrorizando os pais dos pequenos. Podia também possuir um homem durante o sono. Esse constataria que havia caído debaixo de seu poder se encontrasse restos de sêmen ao despertar. É difícil evitar concluir que Lilith se converteu em uma imagem de desejo sexual não reconhecido, reprimido e projetado sobre a mulher, que se converte em sedutora. Por todos os lugares foram encontrados amuletos contra o "poder" de Lilith.

Através da figura de Lilith, na cultura hebréia, a divisão e polarização próprias da Idade do Ferra da Grande Mãe em seus aspectos, a Deusa que dá a vida e a Deusa que atrai a morte, é levada um pouco mais longe. Ao terror do sofrimento inexplicável que pode manifestar-se sem aviso prévio e se insere uma dimensão nova da demonização da sexualidade.

O mito em Gênesis, estabelece que é a infração do mandamento de Yahvé, e não a sexualidade, a causa da expulsão do Paraíso à condição humana; e o conhecimento do bem e do mal, que alcançaram através da desobediência, tampouco se pode explicar em termos de conhecimento sexual. No entanto, tanto a desobediência como o conhecimento se associaram com a sexualidade porque a primeira coisa que Adão e Eva "viram" quando "seus olhos se abriram" foi que estavam nus. Antes disso, andavam nus e sem vergonha. A nudez, portanto, se converteu em sexualidade pecaminosa, especialmente quando a serpente fálica entra na especulação teológica. Em certas ocasiões a serpente era identificada como Lilith e se desenhava a serpente com um corpo de mulher, interpretando-se que a dita criatura era Lilith. Outras vezes a serpente tinha um rosto como o de Eva. Por esta razão, uma percepção da sexualidade como algo "não divino", invade as lendas de Lilith como aspecto escuro de Eva.

Mas, o papel de Lilith parece não terminar quando se une a Satã, aliás, muito pelo contrário. Segundo Zohar (Hhadasch, seção Yitro, p.29), depois participa da perdição de Adão, ao qual Yahvé (Jehová) concede como segunda esposa a Eva, nascida da sua própria costela, ou seja, à imagem do homem, o reflexo do homem, ou a imagem castrada de Adão. "Depois de que o Tentador (Sammael) houvera desobedecido ao Santíssimo, bendito seja, o Senhor o condenou a morrer". A Cabala faz eco desta tradição (Livro Emek-Ammelehh, XI), que Sammael será castigado: "Esse dia, Yahvé visitará com sua terrível espada a Leviatã, a serpente insinuante, que é Sammael, e a Leviatã, a serpente sinuosa, que é Lilith.

Esse texto nos diz que tão somente Lilith está incluída no castigo junto com Sammael e não as outras três esposas e que, Lilith também apresenta o aspecto de serpente. O que se conclui é que Lilith está reprimida no inconsciente e, quando surge, coloca a sociedade paternalista em xeque. Assim, quando Eva convida Adão para comer a maçã, é das mãos de Lilith que a receberá.

sábado, 17 de outubro de 2009

Origens do Halloween

Origem Pagã:
A origem pagã tem a ver com a celebração celta chamada Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos. A invasão das Ilhas Britânicas pelos Romanos (46 A.C.) acabou mesclando a cultura latina com a celta, sendo que esta última acabou minguando com o tempo. Em fins do século II, com a evangelização desses territórios, a religião dos Celtas, chamada druidismo, já tinha desaparecido na maioria das comunidades. Pouco sabemos sobre a religião dos druidas, pois não se escreveu nada sobre ela: tudo era transmitido oralmente de geração para geração. Sabe-se que as festividades do Samhain eram celebradas muito possivelmente entre os dias 5 e 7 de novembro (a meio caminho entre o equinócio de verão e o solstício de inverno). Eram precedidas por uma série de festejos que duravam uma semana, e davam início ao ano novo celta. A “festa dos mortos” era uma das suas datas mais importantes, pois celebrava o que para nós seriam “o céu e a terra” (conceitos que só chegaram com o cristianismo). Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. A festa era celebrava com ritos presididos pelos sacerdotes druidas, que atuavam como “médiuns” entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.

Origem Cristã:
Desde o século IV a Igreja da Síria consagrava um dia para festejar “Todos os Mártires”. Três séculos mais tarde o Papa Bonifácio IV († 615) transformou um templo romano dedicado a todos os deuses (panteão) num templo cristão e o dedicou a “Todos os Santos”, a todos os que nos precederam na fé. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente era celebrada no dia 13 de maio, mas o Papa Gregório III(† 741) mudou a data para 1º de novembro, que era o dia da dedicação da capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro, em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a festa de Todos os Santos fosse celebrada universalmente. Como festa grande, esta também ganhou a sua celebração vespertina ou vigília, que prepara a festa no dia anterior (31 de outubro). Na tradução para o inglês, essa vigília era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), passando depois pelas formas All Hallowed Eve e “All Hallow Een” até chegar à palavra atual “Halloween”.

Fonte: wikipedia.org

GRANDE RITUAL-


Noite de HallooweenBruxos em trajes de festavêm saudar o Samhaim!Festa de Grande SabathRitual de Samhaim!Somos os Guardiões do FogoE vamos o círculo fecharTornar o espaço sagradoe os antepassados saudarNosso país é a Mãe TerraNossa Deusa é a Lua Mãeque tem o ventre sagradofértil e cheio de luzErgamos as mãos para o céupara as estrelas saudarMarias das Terras de OrionMintaka, Alnilan e Alnitaka!Nas pontas do pentáculo sagradoos cinco sentidos estãofecha a atenção no centroexorta o sexto sentidoEsta é a nossa visão!Aos frutos e flores da terranossa eterna gratidãoSalve o Deus da FlorestaForte Guerreiro GuardiãoGira a roda de fogo!Crepita a sagrada chama,que dá vida e calor!O fogo que é Sagrado!O fogo que é Amor!Saudemos Deus NaturezaCom amor e DevoçãoEstá aberto o SabathPedimos a paz na terrae em todos pontos do universoSalve os bruxos da mãe terra

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Dia de Santa Edwiges-16 de Outubro.

Nasceu em uma região na Europa Central chamada Silésia, entre Alemanha Oriental e Polônia, no século XVI, ano de 1174. Filha de Bertoldo de Andech, Marquês de Meran e Conde do Tirol e de Inês, filha do Conde de Rottech, família muito numerosa e dotada de grandes riquezas e poderes. Edwiges foi criada com carinho, conforto e uma boa base religiosa.
Aos seis anos foi internada no Mosteiro de Kicing, onde recebeu uma rígida educação, aprendeu as Sagradas Escrituras e foi preparada para vida.Ao completar doze anos, seu pai arranjou-lhe um noivo chamado Henrique, Duque da Silésia, mais tarde Duque da Polônia. Seu encantamento foi grande ao conhecer sua Noiva dotada de grande beleza interior.
Seu casamento aconteceu no ano de 1186, com a presença de nobres famílias, este acontecimento marcou a época, com longas comemorações de grande estilo. No final, Edwiges parte com seu marido, tornando-se a grande Duquesa da Silésia e da Polônia.Em seu novo lar, ela assumiu seu papel de dona de casa, e em pouco tempo conquistou todos os que estavam sobre suas ordens através da forma carinhosa de tratá-los. Transformou seu lar num grande templo de Deus, onde era respeitada e amada por todos. Aos treze anos foi mãe pela primeira vez, trazendo felicidade e luz, com o passar do tempo sua família cresceu ainda mais, ficando com o total de seis filhos. Alguns anos passaram, e por razões de rivalidades, ocorreram grandes conflitos no seio de sua família. Infelizmente por causa destas contendas a Duquesa Edwiges derramou muitas lágrimas.
Apesar de todo sofrimento ela encontrou na sua fé em Deus, forças para consolar parentes seus mais próximos. Com o passar do tempo Edwiges desapegou-se das coisas materiais e foi morar com seus amigos nas dependências do Mosteiro.Seu marido tinha construído o Mosteiro de Trebnitz, e após sua morte, Edwiges continuou sua obra com dedicação.
Edwiges dedicou inteiramente sua vida aos pobres, doentes e aos trabalhos monásticos. Foi a personificação da humildade, amor, solidariedade, caridade e fé! Era fiel a todas as regras monásticas, mas não fez os votos religiosos! Pois queria beneficiar, pessoalmente e melhor, seus irmãos com suas riquezas.Ela possuía virtudes de grande nobreza celestial! E as punha em prática sempre nos momentos conturbados em que conservava sua serenidade e paciência. Sua vida foi bastante austera, com penitências e jejuns. Sua vida era uma grande oração, pois seguia os exemplos dos Santos de sua Igreja. Quando Edwiges se recolhia para orar entrava num estado de graça que a fazia levitar, e certa vez foi flagrada por um Ministro de nome Boguslau que ficou deslumbrado com o quadro angelical que vira.
Sua missão na terra, com seus irmãos carentes de pão material e espiritual, consumiu inteiramente sua vida; pois ela renunciou a tudo para seguir os ensinamentos de Deus!Certo dia Edwiges recebeu uma nobre visita de uma senhora chamada Myleísa, e passaram muito tempo a conversar. Quando chegou a hora da despedida Edwiges queria beijá-la pela última vez, pois já previa sua ida para a eternidade.Quando se aproximava o momento de sua enfermidade, ela avisou a todos do seu convívio, chamou seu confessor Frei Mateus para ministrar o Sacramento da Unção dos Enfermos.
Foram dias de preparação para o dia de sua partida, com dias de muitas orações. Edwiges recebeu visitas de muitos Santos, foram momentos de graça e luz para todos, e finalmente no dia 15 de Outubro de 1243 ela caminhou rumo ao Pai Celestial.Após sua morte milhares de pessoas conseguiram muitas graças por sua intercessão, e foram feitos longos estudos de sua vida e finalmente ela foi canonizada numa Missa solene no dia 15 de Outubro de 1267. Podendo ser chamada de Santa Edwiges “Protetora dos Endividados”.

Oração a Santa Edwiges


Oração a Santa EdwigesÓ Santa Edwiges, vós que na terra fostes o amparo dos pobres, a ajuda dos desvalidos e o socorro dos endividados, e no Céu agora desfrutais do eterno prémio da caridade que em vida praticastes, suplicante te peço que sejais minha advogada,para que eu obtenha de Deus o auxílio de que urgentemente necessito: (fazer o pedido). Alcançai-me também a suprema graça da salvação eterna. Santa Edwiges, rogai por nós. Ámen.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Magia de Amor com maçã e mel!

Você vai precisar de; uma maçã (bem vermelha), um pires, uma vela rosa e uma colher de sopa de mel.
Em um mês no qual a Lua Cheia durar 7 noites, na primeira noite de Lua Cheia faça um buraco em uma das extremidades de uma maçã bem vermelha, arrancando a polpa. Tenha o cuidado para não danificar a maçã.
Em seguida coloque a fruta sobre um pires e fixe uma vela rosa no orifício formado na maçã.
Derrame o mel na maçã dizendo:
“Que esta maçã me traga o amor, e que este mel me sirva com louvor para o amor”.
Depois repita três vezes com fé:
“Eu tenho sorte no Amor”.
Acenda a vela e deixe-a queimar até acabar.
Essa magia deverá ser repetida por três dias sempre com a mesma fruta, mas trocando as velas a cada dia.
Passado esse período, guarde a maçã por mais três dias e no sétimo dia enterre-a numa praça ou num jardim.
IMPORTANTE: O Ritual não pode alcançar a Lua Minguante, portanto só faça quando a Lua Cheia durar 7 Noites e enterre a maçã exatamente na 7a. noite.

A Ametista

A ametista é uma das pedras com maior utilização, tanto em cristaloterapia como em joalharia, sendo a preferida de muitas pessoas que se dedicam aos cristais. Além de ter uma longa tradição cheia de simbolismos, é uma pedra que pela sua simples presença consegue acalmar, harmonizar e melhorar qualquer ambiente.
As ametistas eram famosas no Egipto e na Grécia Antiga, onde eram utilizadas para tratar dores de cabeça, combater o alcoolismo e também ajudar a recuperar das ressacas. O seu nome deriva do grego e significa qualquer coisa como "não ébrio". Na verdade, a ametista é tão especial que figura na mitologia...
Ametista foi a pobre vítima da fúria de Diónisos que, assediando-a e sentindo-se desprezado, quis vingar-se dela lançando-lhe tigres enraivecidos. Ametista era sacerdotisa de Artémis, deusa da caça e da castidade que, vendo a sua serva em perigo, a transformou num cristal límpido e puro. Imediatamente Diónisos foi tocado pela luz incorrupta daquela pedra e, arrependido da sua ira, verteu o seu vinho sobre ela, dando-lhe a cor e o poder de agir nos seus domínios.
O mito aponta claramente para a natureza deste cristal. A sua cor violeta ou púrpura relaciona-se com os chakras superiores, frontal e da coroa. A sua vibração é extremamente subtil, porém incisiva. O seu uso como cristal mágico é antigo e bem enraizado em diversas tradições.
Algumas das suas aplicações:
- promove a paz e a harmonia
- limpa e energiza ambientes e pessoas
- é excelente para a confecção de elixires
- é uma das pedras mais importantes em cristaloterapia
Ao nível psicológico:
- promove uma clara contemplação do Eu
- combate as depressões e estados de auto-negação
- expande a consciência
- modera as paixões
Em Magia:
- melhora as capacidades intuitivas
- auxilia à meditação
- é uma excelente pedra para programar.
- é usada em numerosas preparações, amuletos, talismãs e outros objectos mágicos
Cuidados e métodos de limpeza
Apesar de ser do grupo dos quartzos e, portanto, bastante dura, esta pedra tem um ponto fraco: é sensível ao calor. Suporta bem a limpeza com água, mesmo salgada, no entanto, não deve ser energizada ao sol pois tal poderá descolorá-la.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

QUARTZO ROSA

O quartzo rosa é conhecido como a pedra do amor e da amizade. É um dos quartzos mais utilizados em cristaloterapia devido aos seus efeitos calmantes e harmonizantes.
Não é por acaso que o quartzo rosa é associado aos signos Touro e Balança, pois as palavras que melhor o definem são, justamente, "estabilidade" e "harmonia". Esta pedra é utilizada deste tempos remotos e todos os registos que chegaram aos nossos dias sublinham este ponto, tão evidente que nunca pôde passar despercebido. O "Amor" que o quartzo rosa nos traz é literalmente infinito, pois mostra-nos todas as suas facetas: o amor fraternal, o amor romântico, o amor platónico, o amor de mãe, o amor erótico... e em todas estas manifestações, a vibração que nos transmite é estável, constante e capaz de elevar a nossa consciência perante os sentimentos.
Como dito acima, o quartzo rosa é uma das pedras mais úteis em terapia. Tanto é usado devido às suas propriedades curativas, como é também a melhor pedra para reequilibrar o sistema de chakras de um paciente sempre que este sente desconforto durante um tratamento. É sabido que nem todas as pedras utilizadas em cristaloterapia são suaves, algumas são bastante fortes, chegando mesmo a ser agressivas para pessoas sensíveis ou fragilizadas. Nestas situações, devem ser imediatamente removidas e substituídas por quartzo rosa. Muitos terapeutas, nos quais me incluo, fazem regra da utilização do quartzo rosa sobre o plexo cardíaco em todos os esquemas de cristais, como medida preventiva contra possíveis perturbações energéticas.
Algumas das suas aplicações:
- estabiliza o fluxo energético em geral e do plexo cardíaco em particular
- resolve insónias, pesadelos e outras perturbações do sono
- melhora o sangue e reforça o sistema circulatório
- na forma de elixir, é um excelente desintoxicante
Ao nível psicológico:
- é uma "pedra de resgate" que pode ser usada em emergências, para acalmar estados de choque ou outras situações particularmente tensas
- ajuda ao amor próprio e elimina a depressão
- harmoniza as paixões e promove a estabilidade
- é muito calmante e por isso indicada para pessoas nervosas ou que vivem períodos de stress
Em Magia:
- como "Pedra do Amor" é, naturalmente, muito usado para feitiços de amor e de amizade, para reconciliações, para paz familiar e para harmonia em geral
- como todos os quartzos, é excelente para programação*
- é utilizado como amuleto contra a infertilidade, bem como para proteger as mães e os recém-nascidos
Cuidados e métodos de limpeza
Como todos os quartzos, tem dureza 7 (numa escala de 1 a 10), ou seja, é uma pedra dura que pode ser limpa por qualquer um dos métodos descritos no artigo sobre métodos de limpeza. O quartzo rosa é ligeiramente sensível aos raios UV, podendo perder alguma da sua beleza se for deixado demasiado tempo ao sol.
*Coloquei este asterisco porque não posso deixar de contar esta história tão engraçada, envolvendo quartzo rosa e feitiços de amor...
Era uma vez uma certa bruxinha que se sentia muito sozinha e procurava um namorado. Ouviu dizer maravilhas do quartzo rosa e, um dia, resolveu programar um cristal sem, no entanto, ter aprendido o bastante sobre o poder da Palavra... A bruxinha lá fez o seu ritual, muito concentrada, programou o seu cristal com uma ideia muito clara: "traz-me amor, alguém que goste de mim". Não passou muito tempo e tudo começou a acontecer... um após outro, iam aparecendo rapazes, uns que a bruxinha já conhecia e outros que se cruzavam no seu caminho pela primeira vez - todos muito encantados. Choveram convites para jantar, cinema, um mandava-lhe poemas, outro enchia-lhe o telemóvel com sms, outro, que era aviador, queria levá-la para uma volta ao mundo... A bruxinha ficou muito contente com a eficácia do seu feitiço, pensou "quartzo rosa funciona mesmo!" mas, à medida que ia recebendo toda esta atenção, não tardou a perceber que nenhum dos candidatos era o que ela queria. Passadas algumas semanas da experiência, a bruxinha já só pensava "como é que me livro deles sem ter de mudar de país??". Nada como desprogramar o cristal: uma noite no sal, vários banhos de água corrente e fé que as coisas acalmassem por fim... O que tinha falhado? Nada. O cristal guardou exactamente o que tinha sido projectado durante a programação. Não lhe tirou nem lhe juntou qualquer vírgula: os cristais não interpretam o que lhes dizemos. Finalmente fez-se luz e a bruxinha compreendeu que tinha deixado tudo ao deus-dará. Não tinha dedicado nem um momento do seu ritual a visualizar o que desejava de facto, não tinha reflectido sobre as características que o seu "príncipe encantado" deveria ter - não admira, portanto, que tivesse recebido um carregamento de sapos! A partir desse dia, a bruxinha passou a dedicar mais tempo ao auto-conhecimento, descobriu que é vital saber o que se quer. Resta dizer que, por sorte (ou talvez graças aos poderes de harmonia do quartzo rosa) não foi preciso brigar com nenhum dos sapinhos e tudo se resolveu em paz e amizade mas... ficou a lição: é importante formular bem os programas porque o quartzo funciona - às vezes até bem demais :)!

Exorcismo do Sal e da Água

O Exorcismo do Sal e da Água é uma forma de consagrar estes dois elementos essenciais para serem usados no banimento de diversos malefícios. A fórmula que se segue é a tradicional, conforme praticada em Portugal sob a influência da Igreja Católica.
Exorcismo do Sal
Apontar para o sal com os dedos indicador e médio, declarando:
Eu te exorciso
Ó criatura da Terra,
Pelo Deus Vivo †
Pelo Deus Sagrado †
Pelo Deus Onipotente †
Para que te purifiques
De todas as influências malignas,
Em Nome de Adonai,
Que é o Senhor
Dos Anjos e dos Homens.Estendendo a mão sobre o sal:
Ó criatura da Terra,
Adora o teu Criador.
Em Nome de Deus,
Pai Todo-Poderoso,
Criador do Céu e da Terra,
E no de Jesus Cristo,
Seu Filho, nosso Salvador,
Eu te consagro †
Para o serviço de Deus,
Em Nome do Pai, do Filho
e do Espírito Santo
Amén.

Exorcismo da Água
Apontar para a água com os dedos indicador e médio, declarando:
Eu te exorciso
Ó criatura da Água,
Pelo Deus Vivo †
Pelo Deus Sagrado †
Pelo Deus Onipotente †
Para que te purifiques
De todas as influências malignas,
Em nome de Elohim Tzevaoth,
Que é o Senhor
Dos Anjos e dos Homens.Estendendo a mão sobre a Água:
Ó criatura da Água,
Adora o teu Criador.
Em nome de Deus,
Pai Todo-Poderoso,
Criador do Céu e da Terra,
E no de Jesus Cristo,
Seu Filho, nosso Salvador,
Eu te consagro †
Para o serviço de Deus,
Em Nome do Pai, do Filho
E do Espírito Santo
Amén.
Juntar o sal à água e dizer:
Nós te suplicamos, ó Deus,
Senhor do Céu e da Terra
E de tudo que existe neles,
Visível e invisível,
Que Tu possas estender
A mão direita do Teu poder
Sobre estas criaturas dos elementos
E santificá-las em Teu Santo Nome.
Permite que este sal ajude a saúde do Corpo
E esta água a saúde da Alma,
E que todo poder da adversidade
E toda ilusão e artifício do mal sejam banidos
No lugar em que ambos forem utilizados,
Por amor a Jesus Cristo nosso Salvador
Amén.
Assim ficam consagrados o sal e a água. Para utilização em exorcismo aspergir a mistura sobre pessoas ou espaços, dizendo:
Pelo nome que está acima de todos os outros nomes
E pelo poder do Pai, do Filho e do Espírito Santo
Eu exorcizo todas as influências e sementes do mal
E derramo sobre elas o conjunto da Santa Igreja de Cristo
Para que possam ser presas rapidamente com as correntes
E arrojadas nas trevas exteriores
E que elas não perturbem os servos de Deus
Amén
O sinal † indica momentos em que se faz o sinal da cruz. Para tal, os dedos indicador e médio são estendidos e os restantes dobrados contra a palma da mão. Quando se abençoa o sal e a água com a mão estendida, os dedos deverão ser mantidos juntos.

domingo, 11 de outubro de 2009

Alguns costumes de Samhaim

Listamos nesta página alguns costumes tradicionais deste sabbat. Todos os exemplos foram retirados de diversas fontes, algumas inclusive desconhecidas. se você conhecer a autoria de alguns deles, entre em contato conosco.

- Uma das tradições mais comuns praticadas pelos povos antigos era a de colocar várias maçãs em um grande barril com água. Várias mulheres se reuniam em volta do barril, e a primeira que conseguisse pegar uma das maçãs seria a primeira a se casar no próximo ano.
- Na Escócia, colocavam-se pedras entre as cinzas da lareira, deixando-as “descansar” durante a noite. Se alguma pedra fosse descoberta durante a noite, representaria a morte iminente durante o próximo ano de um dos moradores da residência.
- O costume norte-americano de vestir-se com trajes típicos e sair pelas casas dizendo “travessuras ou gostosuras” é de origem céltica. Nos tempos antigos, o costume não era relegado às crianças, mas sim aos adultos. Em tempos ancestrais, os vagantes iam cantando cânticos da época de casa em casa e eram presenteados com agrados pelos seus habitantes. O presente também era requerido pelos espíritos ancestrais nessa noite através de oferendas.
- Antigamente, todas as safras deveriam ser colhidas até o dia 31 de outubro e qualquer coisa que não fosse colhida era abandonada, pois acreditava-se que o Pooka, um duende noturno que mudava de forma e que tinha grande prazer em atormentar os seres humanos, passava a noite de Samhaim destruindo ou contaminando tudo o que fora deixado sem ser colhido. O disfarce favorito do pooka parece ter sido a forma de um feio cavalo preto.
- Na Escócia e no País de Gales, fogueiras individuais eram acesas. Eram chamadas de Samhnagan, na Escócia, e Coel Coeth, em Gales, e eram construídas com a antecipação de dias no terreno mais elevado próximo da casa. O hábito das fogueiras de Halloween sobreviveu também na Ilha de Man.

Halloween


O Halloween é o festival de Samhaim que acontece no dia 31 de outubro no hemisfério norte e em 1º de maio no hemisfério sul. Como o Brasil importou a celebração desse feriado dos estados Unidos, o dia ficou marcado também no dia 31 de outubro, apesar de estarmos no hemisfério sul. Mas a maioria das bruxas celebram o sabbat em maio.
É um dos quatro grandes sabbats das bruxas e é tradicionalmente um acontecimento estranho e cheios de fantasmas, quando os espíritos de todos os tipos saem para caminhar, como se fossem soltos por uma noite do ano para se comunicarem com os mortais.
Nos Estados Unidos, a celebração do Halloween é mais popular que na Grã-Bretanha (onde se originou), e no Brasil também já se tornou uma festa bastante popular.
As crianças se vestem com fantasias bonitas e máscaras e saem pelas ruas batendo nas portas das pessoas dizendo a famosa frase: “Travessura ou Gostosura?” Se a “gostosura” não for dada, na forma de doces, maçãs ou uma mesada, então a casa recebe a “travessura” que acontece com os mascarados fazendo alguma brincadeira com seus moradores.
Os adultos também geralmente se vestem para as festas de Halloween, para dançar diante das velas acesas dentro de abóboras iluminadas, e assustam-se uns aos outros com brincadeiras fantasmagóricas. Grandes festas à fantasia também acontecem nesse período.
Para as bruxas, porém, o Halloween é uma ocasião séria, embora celebrada com alegria. Eleantiga véspera celta do Samhain (pronunciado algo como “souen”). Samhain significa “O Fim do Verão”, quando o inverno de metade do ano começa no dia 1º de novembro (hemisfério norte). Essa noite e toda a primeira semana de novembro no passado resplandeciam com fogueiras rituais.
Nos fogos ardentes, os celtas simbolicamente queimavam todas as frustrações e ansiedades do ano anterior. Esses rituais no período pré-cris- tão eram organizados pelos druidas, os sacerdotes filósofos celtas.
Com a chegada do Cristianismo, a Igreja tentou cristianizar o antigo festival tomando o dia 1º de novembro o Dia de Todos os Santos, ou All Hallows como era o antigo termo usado. Assim a Véspera do Sarnhain tomou-se a Véspera do All Hallows, ou Halloween. Mas as tentativas de desencorajar as celebrações pagãs foram tão em vão que o festival por fim foi banido do calendário da Igreja.
Não foi até 1928 que a Igreja da Inglaterra oficialmente retomou o Dia de Todos os Santos para seu calendário, na hipótese de que as antigas associações pagãs do Halloween estavam finalmente mortas e esquecidas, uma suposição que certamente foi prematura.
Os muitos tipos de adivinhação associados ao Halloween foram imortalizados por Robert Burns em seu poema com esse nome. Eles são em sua maior parte direcionados à descoberta da pessoa com quem alguém está destinado a se casar; e por isso eram geralmente praticadas por pessoas jovens. Nozes e maçãs eram as comidas populares dessas celebrações familiares que aconteciam diante das fogueiras; no norte da Inglaterra o Halloween é às vezes chamado de a Noite do Quebra-Nozes, por esta razão.
Os encontros mágicos das bruxas no Halloween foram (e são) leva- dos mais a sério do que a diversão e as travessuras dos folclores populares. O Halloween é o festival dos mortos. Isso não é tão amargo como parece; a Morte, para os celtas pagãos, era a porta que se abria para uma outra vida.
A idéia de que aqueles que vão antes ainda retém um interesse pelos vivos, e estão dispostos a ajudá-los, há séculos faz parte do credo das bruxas. A Igreja sempre acaba nos dando um tipo de reconhecimento quanto a esse fato, por meio da forma com a qual o Espiritualismo sempre foi denunciado por clérigos como sendo bruxaria.
Acreditava-se que não somente as almas dos mortos, mas também os espíritos e duendes de todos os tipos, eram liberados no Halloween. As bruxas se aproveitavam dessa crença como uma forma de disfarce para seus encontros; uma das maneiras pela qual faziam isso era usando a abóbora e lanternas de nabo que passaram a ser uma parte das decorações de Halloween.
As grandes abóboras amarelas e laranjas, que amadurecem por volta desta época do ano, cresciam em abundância nos jardins das cabanas. Era fácil de esvaziá-Ias, cortando um rosto com um sorriso em sua casca, e em seguida colocando uma vela dentro para fazer a face brilhar. Penduradas em um poste, a distância, no escuro, pareciam uma procissão de duendes.
De uma forma parecida, os nabos recortados e esvaziados davam um aspecto de rostos de fadas. Eles serviam o duplo propósito de uma lanterna para iluminar o caminho até as florestas e além dos campos, e um tipo de objeto que fazia assustar e espantar quaisquer pessoas que ficassem curiosas demais.
Os mantos pretos e os capuzes usados pelas bruxas ficavam invisíveis no escuro. as lanternas em forma de duendes eram tudo o que podia ser visto, e o efeito de um monte delas se sacudindo emparelhadas em uma noite nebulosa de outono devia ser de arrepiar os cabelos para qualquer pessoa que não compartilhasse do segredo.

Halloween, o Ano Novo na Wicca e a importância de Samhaim para os pagãos

A Roda do Ano wiccan na verdade é um ciclo que não tem começo nem fim, mas Samhaim é considerado tradicionalmente o Ano Novo na Wicca, pela sua simbologia de morte e suspensão do véu entre os mundos. Na verdade, mesmo os mitos celtas giram em torno do que acontece na natureza. Inverno, primavera, verão e outono representam, na verdade, nascimento, crescimento, decadência e morte, e a roda gira continuamente.
Em Samhain, o Festival do retorno da Morte, os portões dos mundos se abrem e a Deusa transforma-se na Velha Sábia, a Senhora do Caldeirão, e o Deus é o Rei da Morte que guia as almas perdidas através dos dias escuros de Inverno.

O ritual seguinte ao de Samhaim é o ritual de Yule (solstício de inverno), no hemisfério norte, ou Litha (solstício de verão), no hemisfério sul, para quem celebra a roda de forma mista (sabás maiores na data tradicional e sabás menores de acordo com as estações).
Mesmo para quem não é wiccan, mas tem certa simpatia pela cultura celta, Samhaim é aquela época que nem se quiséssemos nós poderíamos ignorar, porque está em todo lugar. E, tirando as neuras a respeito do que é falado sobre Halloween, o importante é nós sabermos do que se trata e curtir as dezenas de festas que acontecem nessa época, e mesmo organizar eventinhos em casa junto com nossos amigos, familiares ou coveners (se você fizer parte de um, claro). É sempre o melhor momento para lembrarmos de nossos ancestrais e comemorar com os parentes que ainda estão vivos.
Samhaim e Beltane são considerados os dois grandes festivais celtas porque marcam as metades clara e escura de um ano completo. Muitos wiccans preferem celebrar Samhaim em 30 de abril, pois as estações daqui são invertidas de acordo com o hemisfério norte. Como o nosso site tem amigos tanto no hemisfério sul quanto no hemisfério norte, nós preferimos manter as datas originais da cultura que tal evento se origina, para não virar tudo uma imensa e desnecessária confusão. Mas cada um celebra como achar que lhe convém.

sábado, 10 de outubro de 2009

Dia 12 de Outubro_Dia de nossa Senhora da Aparecida

O rio Paraíba, que nasce em São Paulo e deságua no litoral fluminense, era limpo e piscoso em 1717, quando os pescadores Domingos Garcia, Felipe Pedroso e João Alves resgataram a imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida de suas águas. Encarregados de garantir o almoço do conde de Assumar, então governador da província de São Paulo, que visitava a Vila de Guaratinguetá, eles subiam o rio e lançavam as redes sem muito sucesso próximo ao porto de Itaguaçu, até que recolheram o corpo da imagem. Na segunda tentativa, trouxeram a cabeça e, a partir desse momento, os peixes pareciam brotar ao redor do barco.
Durante 15 anos, Pedroso ficou com a imagem em sua casa, onde recebia várias pessoas para rezas e novenas. Mais tarde, a família construiu um oratório para a imagem, até que em 1735, o vigário de Guaratinguetá erigiu uma capela no alto do Morro dos Coqueiros. Como o número de fiéis fosse cada vez maior, teve início em 1834 a construção da chamada Basílica Velha. O ano de 1928 marcou a passagem do povoado nascido ao redor do Morro dos Coqueiros a município e, um ano depois, o papa Pio XI proclamava a santa como Rainha do Brasil e sua padroeira oficial.
A necessidade de um local maior para os romeiros era inevitável e em 1955 teve início a construção da Basílica Nova, que em tamanho só perde para a de São Pedro, no Vaticano. O arquiteto Benedito Calixto idealizou um edifício em forma de cruz grega, com 173m de comprimento por 168m de largura; as naves com 40m e a cúpula com 70m de altura, capaz de abrigar 45 mil pessoas. Os 272 mil metros quadrados de estacionamento comportam 4 mil ônibus e 6 mil carros. Tudo isso para atender cerca de 7 milhões de romeiros por ano.
Sincretismo da Nossa Senhora Aparecida: Oxum
Devoção da Nossa Senhora Aparecida: Padroeira do Brasil.
Data Comemorativa: 12 de Outubro.

ORAÇÃO DO PAPA JOÃO PAULO II

Nossa Senhora Aparecida!
Neste momento tão solene, tão excepcional, quero abrir diante de Vós, ó Mãe, o coração deste povo, no meio do qual quisestes morar de um modo tão especial -como no meio de outras nações e povos -assim como no meio daquela nação da qual eu sou filho. Desejo abrir diante de Vós o coração da Igreja e o coração do mundo ao qual esta Igreja foi enviada pelo vosso Filho. Desejo abrir-Vos também o meu coração.
Nossa Senhora Aparecida! Mulher revelada por Deus, que haveríeis de esmagar a cabeça da serpente (cf. Gên 3,15) na vossa Conceição Imaculada! Eleita desde toda a eternidade para ser a Mãe do Verbo Eterno, o qual, pela anunciação do Anjo, foi concebido no vosso seio virginal como Filho do Homem e verdadeiro Homem!
Unida mais estreitamente ao mistério da redenção do homem e do mundo, ao pé da cruz, no Calvário!
Dada como Mãe a todos os homens, sobre o Calvário, na pessoa de João, Apóstolo e Evangelista!
Dada como Mãe a toda a Igreja, desde a comunidade que se preparava para a vinca do Espírito Santo, à comunidade de todos os que peregrinam sobre a terra, no decorrer da história dos povos e nações, dos países e continentes, das épocas e gerações! ...
Maria! Eu Vos saúdo e Vos digo “Ave” neste santuário, onde a Igreja do Brasil Vos ama, Vos venera e Vos invoca como Aparecida, como revelada e dada particularmente a ele! Como sua Mãe e Padroeira! Como Medianeira e Advogada junto ao Filho de quem sois Mãe! Como modelo de todas as almas possuidoras da verdadeira sabedoria e, ao mesmo tempo, da simplicidade da criança e daquela entranhada confiança que supera toda fraqueza e sofrimento!
Quero confiar-Vos de modo particular, este Povo e esta Igreja, todo este Brasil, grande e hospitaleiro, todos os vossos filhos e filhas, com todos os seus problemas a angústias, trabalhos e alegrias. Quero fazê-lo como Sucessor de Pedro e Pastor da Igreja universal, entrando nesta herança de veneração e amor, de dedicação e confiança que, desde séculos, fez parte da Igreja do Brasil e de quantos a formam, sem olhar as diferenças de origem, raça ou posição social, e onde quer que habitem neste imenso país. Todos eles, em este momento, voltados para Fortaleza, se interrogam: para onde vais?
O Mãe! Fazei que a Igreja seja para este povo brasileiro sacramento de salvação e sinal da unidade de todos os homens, irmãos e irmãs de adopção do vosso Filho e filhos do Pai do Céu!
O Mãe! Fazei que esta Igreja, e exemplo de Cristo, servindo constantemente o homem, seja a defensora de todos, em particular dos pobres e necessitados, dos socialmente marginalizados e espoliados. Fazei que a Igreja do Brasil esteja sempre a serviço da justiça entre os homens e contribua ao mesmo tempo para o bem comum de todos e para a paz social.
O Mãe! Abri os corações dos homens e dai a todos a compreensão de que somente no espírito do Evangelho e seguindo o Mandamento do Amor e as bem-aventuranças do Sermão da Montanha será possível construir um mundo mais humano, no qual será valorizada verdadeiramente a dignidade de todos os homens.
O Mãe! Dai à Igreja, que nesta terra brasileira realizou no passado uma grande obra de evangelização e cuja história é rica de experiências, que, com novo zelo e amor pela missão recebida de Cristo, realize as suas tarefas de hoje.
Concedei-lhe para este fim numerosas vocações sacerdotais e religiosas, para que todo o Povo de Deus possa beneficiar-se do ministério dos dispensadores da Eucaristia e das testemunhas do Evangelho.
O Mãe! Acolhei em vosso coração todas as famílias brasileiras! Acolhei os adultos e os anciãos, os jovens e as crianças! Acolhei também os doentes e todos aqueles que vivem na solidão!
Acolhei os trabalhadores do campo e da indústria, os intelectuais nas escolas e universidades, os funcionários de todas as instituições. Protegei-os a todos!
Não cesseis, ó Virgem Aparecida, pela vossa mesma presença, de manifestar nesta terra que o Amor é mais forte que a morte, mais poderoso que o pecado! Não cesseis de mostrar-nos Deus, que amou tanto o mundo, a ponto de entregar o seu Filho Unigénito, para que nenhum de nós pereça, mas tenha a vida eterna! (cf. Jo 3,16). Amém.

Oração a Nossa Senhora Aparecida

Senhora Aparecida, o Brasil é vosso!Rainha do Brasil, abençoai a nossa gente!Tende compaixão do vosso povo!Socorrei os pobres!Consolai os aflitos!Iluminai os que não têm fé!Convertei os pecadores!Curai os nossos enfermos!Protegei as criancinhas!Lembrai-vos dos nossos parentes e benfeitores!Guiai a mocidade!Guardai nossas famílias!Visitais os encarcerados!Norteai os navegantes!Ajudai os operários!Orientai o nosso Clero!Assisti os nossos bispos!Conservai o Santo Padre!Defendei a Santa Igreja!Esclarecei o nosso Governo!Ouvi os que estão presentes!Não vos esqueçais dos ausentes!Paz ao nosso povo!Tranquilidade para a nossa terra!Prosperidade para o Brasil!Salvação a nossa Pátria!Senhora Aparecida, o Brasil vos ama, o Brasil em vós confia!Senhora Aparecida, o Brasil tudo espera de vós!Senhora Aparecida, o Brasil vos aclama!Salve, Rainha!Amem!

LILITH



O primeiro capitulo da Bíblia, conta a história de Adão e Eva ...mas segundo o Zohar (comentário rabínico dos textos sagrados), Eva não é a primeira mulher de Adão. Quando Deus criou o Adão, ele fê-lo macho e fêmea, depois cortou-o ao meio, chamou a esta nova metade Lilith e deu-a em casamento a Adão. Mas Lilith recusou, não queria ser oferecida a ele, tornar-se desigual, inferior, e fugiu para ir ter com o Diabo. Deus tomou uma costela de Adão e criou Eva, mulher submissa, dócil, inferior perante o homem.
De acordo com Hermínio, "Lilith foi feita por Deus, de barro, à noite, criada tão bonita e interessante que logo arranjou problemas com Adão". Esse ponto teria sido retirado da Bíblia pela Inquisição. O astrólogo assinala que ali começou a eterna divergência entre o masculino e o feminino, pois Lilith não se conformou com a submissão ao homem O mito de Lilith pertence à grande tradição dos testemunhos orais que estão reunidos nos textos da sabedoria rabínica definida na versão jeovística, que se coloca lado a lado, precedendo-a de alguns séculos, da versão bíblica dos sacerdotes. Sabemos que tais versões do Gênesis - e particularmente o mito do nascimento da mulher - são ricas de contradições e enigmas que se anulam. Nós deduzimos que a lenda de Lilith, primeira companheira de Adão, foi perdida ou removida durante a época de transposição da versão jeovística para aquela sacerdotal, que logo após sofre as modificações dos pais da igreja.No Talmude, ela é descrita como a primeira mulher de Adão. Ela brigou com Adão, reivindicando igualdade em relação a seu marido, deixando-o "fervendo de cólera". Lilith queria liberdade de agir, de escolher e decidir, queria os mesmos direitos do homem mas quando constatou que não poderia obter status igual, se rebelou e, decidida a não submeter-se a Adão e, a odia-lo como igual, resolveu abandona-lo. Segundo as versões aramaica e hebraica do Alfabeto de Ben Sirá (século 6 ou 7). Todas as vezes em que eles faziam sexo, Lilith mostrava-se inconformada em ter de ficar por baixo de Adão, suportando o peso de seu corpo. E indagava: "Por que devo deitar-me embaixo de ti? Por que devo abrir-me sob teu corpo? Por que ser dominada por ti? Contudo, eu também fui feita de pó e por isso sou tua igual." Mas Adão se recusava a inverter as posições, consciente de que existia uma "ordem" que não podia ser transgredida. Lilith deve submeter-se a ele pois esta é a condição do equilíbrio preestabelecido. Vendo que o companheiro não atendia seus apelos, que não lhe daria a condição de igualdade, Lilith se revolta, pronuncia nervosamente o nome de Deus, faz acusações a Adão e vai embora; é o momento em que o Sol se despede e a noite começa a descer o seu manto de escuridão soturna, tal como na ocasião em que Jeová-Deus fez vir ao mundo os demônios.
Adão sente a dor do abandono; entorpecido por um sono profundo, amedrontado pelas trevas da noite, ele sente o fim de todas as coisas boas. Desperto, Adão procura por Lilith e não a encontra: Procurei-a em meu leito, à noite, aquele que é o amor de minha alma; procurei e não a encontrei" (Cântico dos Cânticos III, 1). Lilith partiu rumo ao mar vermelho (Diz-se que quando Adão insistiu em ficar por cima durante as relações, Lilith usou seus conhecimentos mágicos para voar até o Mar Vermelho). Lá onde habitam os demônios e espíritos malignos, segundo a tradição hebraica. É um lugar maldito, o que prova que Lilith se afirmou como um demônio, e é o seu caráter demoníaco que leva a mulher a contrariar o homem e o questionar em seu poder. Desde então, Lilith tornou-se a noiva de Samael, o senhor das forças do mal do Outro Lado . Como conseqüência, deu à luz toda uma descendência demoníaca, conhecida como "Liliotes ou Linilins", na prodigiosa proporção de cem por dia. Alguns escritos contam que Adão queixou-se a Deus sobre a fuga de Lilith e, para compensar a tristeza de Adão, Deus resolveu criar Eva, moldada exatamente como as exigências da sociedade patriarcal. A mulher feita a partir de um fragmento de Adão. É o modelo feminino permitido ao ser humano pelo padrão ético judaico-cristão. A mulher submissa e voltada ao lar. Assim, enquanto Lilith é força destrutiva (o Talmude diz que ela foi criada com imundície e lodo), Eva é construtiva e Mãe de toda Humanidade (ela foi criada da carne e do sangue de Adão).
Jehová-Deus tenta salvar a situação, primeiro ordenando-lhe que retorne e, depois, enviou ao seu encalço uma guarnição de três anjos, Sanvi, Sansavi e Samangelaf, para tentar convencê-la; porém, uma vez mais e com grande fúria, ela se recusou a voltar. Lilith está irredutível e transformada. Ela desafiou o homem, profanou o nome do Pai e foi ter com as criaturas das trevas. Como poderia voltar ao seu esposo? Os anjos ainda ameaçaram: "Se desobedeces e não voltas, será a morte para ti." Lilith , entretanto, em sua sapiência demoníaca, sabe que seu destino foi estabelecido pelo próprio Jeová-Deus. Ela está identificada com o lado demoníaco e não é mais a mulher de Adão. Acasalando-se com os diabos, Lilith traz ao mundo cem demônios por dia, os Lilim, que são citados inclusive na versão sacerdotal da Bíblia. Jeová-Deus, por seu lado, inicia uma incontrolável matança dessas criaturas, que, por vingança, são enfurecidas pela sua genitora. Está declarada a guerra ao Pai. Os homens, as crianças, os inválidos e os recém-casados, são as principais vítimas da vingança de Lilith. Ela cumpre a sua maligna sorte e não descansará assim tão cedo.
Uma outra versão diz que foram os anjos que mataram os filhos que tivera com Adão. Tão rude golpe transformou-a, e ela tentou matar os filhos de Adão com sua segunda esposa, Eva.
Lilith Alegou ter poderes vampíricos sobre bebês, mas como os anjos a queriam impedir, fizeram-na prometer que, onde quer que visse seus nomes, ela não faria nenhum mal aos humanos. Então, como não podia vencê-los, ela fez um trato com eles: concordou em ficar afastada de quaisquer bebês protegidos por um amuleto que tivesse o nome dos três anjos. Não obstante, esse ódio contra Adão e contra sua nova (e segunda) mulher, Eva, resultou, para Lilith, no desabafo da sua fúria sobre os filhos deles e de todas as gerações subseqüentes.
A partir daí, Lilith assume plenamente sua natureza de demônio feminino, voltando-se contra todos os homens, de acordo com o folclore assírio, babilônico e hebraico. E são inúmeras as descrições que falam do pavor de suas investidas. Conta-se, por exemplo, que Lilith surpreendia os homens durante o sono e os envolvia com toda sua fúria sexual, aprisionando-os em sua lasciva demoníaca, causando-lhes orgasmos demolidores. Ela montava-lhes sobre o peito e, sufocando-os (pois se vingava por ter sido obrigada a ficar "por baixo" na relação com Adão), conduzia a penetração abrasante. Aqueles que resistiam e não morriam ficavam exangues e acabavam adoecendo. Por isso Lilith também está identificada com o tradicional vampiro. Seu destino era seduzir os homens, estrangular crianças e espalhar a morte.
Durante os primeiros séculos da era cristã, o mito de Lilith ficou bem estabelecido na comunidade judaica. Lilith aparece no Zohar, o livro do Esplendor, uma obra cabalística do século 13 que constitui o mais influente texto hassídico e no Talmude, o livro dos hebreus. No Zohar, Lilith era descrita como succubus, com emissões noturnas citadas como um sinal visível de sua presença. Os espíritos malignos que empesteavam a humanidade eram, acreditava-se, o produto de tais uniões. No Zohar Hadasch (seção Utro, pág. 20), está escrito que Samael - o tentador - junto com sua mulher Lilith, tramou a sedução do primeiro casal humano. Não foi grande o trabalho que Lilith teve para corromper a virtude de Adão, por ela maculada com seu beijo; o belo arcanjo Samael fez o mesmo para desonrar Eva: E essa foi a causa da mortalidade humana. O Talmude menciona que "Quando a serpente envolveu-se com Eva, atirou-lhe a mácula cuja infecção foi transmitida a todos os seus descendentes... (Shabbath, fol. 146, recto)". Em outras partes, o demônio masculino leva o nome de Leviatã, e o feminino chama-se Heva. Essa Heva, ou Eva, teria representado o papel da esposa de Adão no éden durante muito tempo, antes que o Senhor retirasse do flanco de Adão a verdadeira Eva (primitivamente chamada de Aixha, depois de Hecah ou Chavah). Das relações entre Adão e a Heva-serpente, teriam nascido legiões de larvas, de súcubos e de espíritos semiconscientes (elementares). Os rabinos fazem de Leviatã uma espécie de ser andrógino infernal, cuja a encarnação macho (Samael) é a "serpente insinuante" e a encarnação fêmea (Lilith), é a "cobra tortuosa" . Segundo o Sepher Emmeck-Ameleh, esses dois seres serão aniquilados no fim dos tempos: "Nos tempos que virão o Altíssimo (bendito seja!) decapitará o ímpio Samael, pois está escrito (Is. XVII, 1): 'Nesse tempo Jeová com sua espada terrível visitará Leviatã, a serpente insinuante que é Samael e Leviatã, a cobra tortuosa que é Lilith' (fol. 130, col. 1, cap.XI). Também segundo os rabinos, Lilith não é a única esposa de Samael; dão o nome de três outras: Aggarath, Nahemah e Mochlath. Mas das quatro demônias, só Lilith dividirá com o esposo a terrível punição, por tê-lo ajudado a seduzir Adão e Eva. Aggarath e Mochlath tem apenas um papel apagado, ao contrário do que acontece com as outras duas irmãs, Nahemah e Lilith.